sábado , 18 maio 2024
Home / Destaque / Aos 11 anos, cearense é medalha de ouro em Olimpíada de Astronomia: ‘gosto dos planetas e continhas’

Aos 11 anos, cearense é medalha de ouro em Olimpíada de Astronomia: ‘gosto dos planetas e continhas’

Ter a exata dimensão do tamanho das conquistas, diante dos obstáculos do trajeto, ainda é condição distante aos 11 anos de idade. Mas, Lucas Raí Nogueira Prudêncio Ferreira, morador da periferia de Fortaleza e estudante da rede pública municipal, se entusiasma com o que já alcançou e sente que é motivo de orgulho. “Quero conseguir mais”, expressa.

Em 2022, ele foi medalhista de ouro na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA). Um dos alunos da rede pública municipal a alcançar o feito. Estudante do 5º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Professor José Círio, Raí reside em uma área pobre da cidade, na qual a criação de oportunidades via educação é tão necessária quanto estruturante.

 

 

Esta matéria integra a série “Terra de Sabidos”, publicada pelo Diário do Nordeste e com patrocínio Assembleia Legislativa do Cearácujo foco é contar histórias de estudantes da rede pública estadual do Ceará  e da rede municipal de Fortaleza, que, via educação, tiveram as trajetórias alteradas, conquistado oportunidades, e reconhecimentos local, estadual e nacional. 

Ele ingressou na rede municipal com 1 ano e 6 meses de idade, na creche de mesmo nome da escola, localizada ao lado da unidade escolar.

 

Das preferências por matemática e ciências se renova no cotidiano o gosto pelos assuntos envolvendo “os planetas e também as continhas”, como ele descreve.

“A prova (da OBA) eu fiz no colégio. Fiquei muito nervoso quando peguei a prova. Eu pensei que a prova seria difícil, mas quando vi as questões não era tanto. Fui resolvendo, fazendo as continhas e marcando as respostas”.

LUCAS RAÍ NOGUEIRA PRUDÊNCIO FERREIRA
Estudante

 

Na turma, conta ele, os amigos gostam de matemática, português, artes e ciências. Às vezes, quando tem segurança que sabe o conteúdo, relata Raí, tenta auxiliar os colegas de sala, “se eles têm dúvida, eu falo bem direitinho. E eles conseguem encontrar as respostas”.

REAÇÃO AO BOM DESEMPENHO

Quando ganhou a medalha de ouro e alcançou o relevante desempenho na Olimpíada foi informado do feito pela diretora da escola. Em seguida, houve o reconhecimento público no pátio da instituição. “Mãe, a diretora me chamou na diretoria e fiquei com medo de ser alguma reclamação e levei até a agenda”, contou em casa.

Estudante de Fortaleza é medalhista em olimpíada
Legenda: Lucas Raí Nogueira Prudêncio Ferreira, morador da periferia de Fortaleza e estudante da rede pública municipal, se entusiasma com o que já alcançou e sente que é motivo de orgulho
Foto: Fabiane de Paula

 

O temor deu lugar ao justo orgulho. Naquele momento, a felicidade pela conquista se manifestou em fotos enviadas aos parentes e postagens nos stories do whatsapp. Demonstrações de alegria. Um primo de idade semelhante à de Raí, conta a mãe do estudante, Maria Fabiana Nogueira, destacou: “quero ser que nem ele e ganhar medalha também”.

Na escola, Raí estuda no turno da tarde e de segunda a quinta-feira participa de reforço. Sua mãe, Fabiana Nogueira, trabalha na recepção de uma academia no próprio bairro. Ao definir o filho, o descreve como um garoto tímido e esforçado.

“Quando anuncia que vai ter prova, ele fica bem animado. Falo pra ele focar. Se concentrar. Nas reuniões (da escola) não recebo nenhuma reclamação”, conta a mãe.

 

Lucas Raí
Legenda: Na trajetória escolar, Lucas Raí sempre estudou na rede pública
Foto: Fabiane de Paula

 

 

“Eu chorei. Quem me contou foi o primo dele. É muito emocionante saber que seu filho fez uma prova e se destacou. Quero que ele continue assim. Porque ele é um bom menino na escola e na família”, destaca Fabiana.

MARIA FABIANA NOGUEIRA
Mãe do estudante

 

Em 2023, Raí precisará mudar de escola, pois a atual só tem até o 5º ano do fundamental. Ele deve seguir para uma unidade de tempo integral.

O empenho, o interesse e os resultados de Raí já são evidentes. De modo simples e tímido, ele se destaca. A capacidade de aprendizado e o comprovado rendimento vão, aos poucos, ampliando esse espaço. Mudar o percurso via educação é uma alternativa real.

Morador da periferia e estudante de escola pública, Raí, aos 11 anos, talvez ainda não dimensione que enfrenta estigmas e descréditos. Seguirá enfrentando. E superá-los não depende somente de seus feitos individuais. Requer a garantia de que o estudante terá chances, investimentos e estrutura.

Fonte:diariodonordeste

Sobre Sertão Midia

Veja Também

Faustão recebe alta após 47 dias internado, mas seguirá sob orientações médicas

Após 47 dias de internação, Faustão, como é conhecido Fausto Silva, recebeu alta hospitalar nesta sexta-feira (12). O ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.