segunda-feira , 27 maio 2024
Home / Destaque / Mercado Livre de Energia reduz conta de luz para empresas

Mercado Livre de Energia reduz conta de luz para empresas

Segmento responsável por 38% do consumo de energia elétrica no Brasil, segundo dados da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), o Mercado Livre de Energia é uma oportunidade para empresas que buscam ter mais opções de fornecedores e também previsibilidade de gastos.

Em relatório divulgado no último mês de agosto pela Abraceel, mais de 28 mil unidades consumidoras estão inseridas nesse segmento no Brasil, pertencentes a 10.381 consumidores. Somente nos últimos 12 meses, mais de 4,5 mil unidades foram adicionadas ao mercado.

Também conhecido como Ambiente de Contratação Livre (ACL) ou não regulado, o Mercado Livre permite, por exemplo, a negociação de preços e condições de contratação entre clientes e fornecedores. Por ser um mercado voltado para quem possui alto consumo de energia, os clientes de ACL tendem a ser empresas de diferentes portes. Dessa forma, geradores e comercializadores – que proporcionam o acesso à energia elétrica – podem garantir preços mais vantajosos para os consumidores.

Essa é a principal diferença entre empresas que atuam no ACL e o chamado Mercado Regulado, cujas tarifas são determinadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), explica José Carlos Reis, Gerente de Comercialização de Energia da AES Brasil, empresa geradora, que garante o acesso ao Mercado Livre de Energia. Com a ajuda dos especialistas da AES Brasil, empresas interessadas em realizar o processo de migração recebem toda a assessoria necessária do início ao fim da jornada.

“Esta possibilidade já está disponível para uma grande parcela das empresas, ou seja, comércios e indústrias que apresentam um gasto com energia superior a, aproximadamente, R$ 30 mil por mês. Destaco que, a partir de janeiro de 2024, todos os consumidores de energia de alta tensão (Grupo A) do Brasil, independentemente do valor de sua conta de luz, deverão ser livres e poderão escolher seu fornecedor de energia”, pontua o gerente.

Na última semana, em mais um importante passo para a abertura total do mercado de energia, o Ministério das Minas e Energia – MME publicou uma resolução autorizando que mais de 100 mil outros consumidores, geralmente Comércios e Indústrias de médio porte, possam migrar para o Mercado Livre de Energia a partir de 1º de janeiro de 2024.

No Mercado Livre de Energia, uma empresa pode optar por adquirir energia por um período de cinco anos, por exemplo, com a determinação do preço e reajuste anual previamente combinados, o que gera uma melhor previsão dos gastos com energia elétrica. “Além disso, os consumidores que estão no Mercado Livre não estão sujeitos a pagar as bandeiras tarifárias (amarela, vermelha e escassez hídrica) quando há uma situação climática que impacta a geração de energia no Brasil”, informa José Carlos.

OPORTUNIDADES PARA DIFERENTES EMPRESAS

Atualmente, consumidores com um consumo considerado baixo ou conectados à rede de energia em Baixa Tensão não podem, ainda, entrar no Mercado Livre de Energia, sendo uma prática ainda limitada a empresas de pequeno, médio ou grande porte, de todos os setores, com contas de energia superiores a, aproximadamente, R$ 30 mil por mês.

Segundo o gerente da AES Brasil, durante os períodos em que as bandeiras tarifárias estavam mais frequentes no país (vermelha e escassez hídrica), a redução chegou a mais de 30% na fatura mensal de energia elétrica dos clientes no Mercado Livre. Ou seja, uma empresa com gasto de R$ 50 mil passaria a gastar aproximadamente R$ 35 mil, uma economia de em torno de R$ 180 mil por ano.

CEARÁ COMO ESPAÇO DE ATUAÇÃO

Com o aumento no interesse pelo Ceará como ambiente estratégico para empresas voltadas para a produção de energia limpa, por meio do segmento eólico, solar fotovoltaico e outros, o estado está cada vez mais pronto para receber investimentos nesse campo. Aqui, a AES Brasil possui o Complexo Eólico Mandacaru, localizado nos municípios de Icaraí de Amontada e Trairi, com capacidade para atender até 200 mil famílias, em termos de energia.

No mês de setembro, também foi assinado um pré-contrato pela empresa para a implementação de uma planta de produção de Hidrogênio Verde no Ceará, ainda sem data definida.

Na região Nordeste, a AES Brasil já investiu aproximadamente R$ 3,4 bilhões de reais, além de possuir projetos eólicos em construção na Bahia e no Rio Grande do Norte.

SERVIÇOS OFERECIDOS PELA AES BRASIL

Presente em 14 países e com sede nos Estados Unidos, a AES conta com ampla capacidade para geração de energia renovável em diferentes estados do Brasil. No país, a empresa presta serviços de assessoria para os clientes, avaliação das necessidades de cada um, além da implementação das soluções.

“Dentre as inúmeras soluções, podemos propor a própria migração para o mercado livre, ou a construção de uma nova planta de geração para atendimento exclusivo a uma empresa, ou simplesmente a certificação de que a energia utilizada em determinada unidade provém de fonte renovável através de Certificados de Energia Renovável, conhecidos mundialmente como I-RECs”, explica José Carlos Reis.

O processo de migração para o Mercado Livre de Energia com a AES Brasil é simples por conta de sua expertise no setor de energia e pode ser solicitado tanto pelos seus canais de relacionamento, quanto pela empresa Tendência Energia, parceira da AES Brasil no Ceará. Os clientes interessados devem enviar uma conta de luz, preferencialmente a mais recente, para que seja elaborado um estudo de viabilidade de migração para o mercado livre, sem custos. A partir disso, caso se encaixe nos critérios, basta começar a definir as condições do contrato com a geradora.

Saiba mais informações em:

migremercadolivre.com.br
Perfil no Instagram: @aesbrasilenergia

Fonte:diariodonordeste

Sobre Sertão Midia

Veja Também

Faustão recebe alta após 47 dias internado, mas seguirá sob orientações médicas

Após 47 dias de internação, Faustão, como é conhecido Fausto Silva, recebeu alta hospitalar nesta sexta-feira (12). O ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.