sábado , 18 maio 2024
Home / Destaque / Monkeypox chega a 11 das 19 cidades da RMF; área concentra 90% dos casos no Ceará

Monkeypox chega a 11 das 19 cidades da RMF; área concentra 90% dos casos no Ceará

O primeiro caso de monkeypox, antes chamada de varíola dos macacos, foi confirmado no Ceará no dia 29 de junho. Quase 4 meses depois, até o último dia 20 de outubro, a doença já soma 425 confirmações laboratoriais, das quais 90% estão concentradas na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Os dados são do painel de monitoramento da Monkeypox, da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). Ao todo, Fortaleza e mais 10 cidades já registraram 385 pessoas infectadas. A região tem 19 municípios e reúne a maior população do Estado.

Apenas Fortaleza é responsável por 329 casos, além de ter 118 notificações em investigação. Em nota, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informou que pessoas com suspeita da doença devem procurar um dos 116 postos de saúde de Fortaleza para realizar o exame laboratorial.

“A prioridade está sendo a investigação rápida e isolamento dos pacientes com suspeita da doença, fazendo busca ativa dos contatos do mesmo, visto que ainda não há vacina contra o vírus, evitando assim uma transmissão mais rápida”, explica a Pasta.

 

Embora a Capital eleve a média da região, os outros municípios da RMF também têm números elevados. As outras 10 cidades da área com confirmações têm 56 casos. Já o interior soma 40 casos em 22 municípios.

Caucaia, segunda maior cidade em população do Estado, também tem o segundo maior número de confirmações: são 17, conforme a atualização mais recente.

A SMS de Caucaia recomenda que o paciente que apresentar qualquer sintomas (febre e lesões na pele) procure a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da residência. Em caso de suspeita de Monkeypox, será solicitado o exame da lesão.

Após a confirmação médica, a vigilância epidemiológica é comunicada imediatamente e passa a realizar o monitoramento através da Atenção Primária à Saúde (APS), com a coleta e atendimento domiciliar. “Com isso, é possível evitar deslocamento do paciente e contato com outras pessoas impedindo o avanço da doença”, explica a Pasta.

Maracanaú aparece em terceiro, com 12 pessoas infectadas. No início de setembro, médicos da atenção primária e secundária receberam capacitação para manejo clínico de pacientes com a doença, de acordo com a Prefeitura.

O painel da Sesa mostra que o Ceará já notificou 1.566 casos de monkeypox, mas mais da metade deles já foram descartados (840). Outros 210 estão em investigação (141 na RMF).

PERFIL DOS INFECTADOS

A maioria dos casos no Estado acomete a população masculina, também sendo mais prevalente em pessoas de 20 a 39 anos de idade. No entanto, também já foram confirmados 8 casos em crianças de até nove anos, e mais 4 em idosos acima de 60.

A monkeypox pode infectar qualquer pessoa que tenha contato físico com lesões na pele ou fluidos corporais (secreções e saliva) de uma pessoa infectada ou por meio de objetos contaminados. Em caso de sinais e sintomas, a recomendação é procurar imediatamente uma unidade de saúde.

Embora a doença seja prevenível com vacina, ainda não há previsão de quando o imunizante estará disponível no Ceará. Até o fim do ano, o Ministério da Saúde espera receber 50 mil doses. O primeiro lote, com 9,8 mil doses, chegou no dia 4 de outubro.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA MONKEYPOX?

Os principais sintomas da monkeypox são:

  • lesões na pele
  • lesões genitais
  • febre
  • inchaço nos gânglios
  • dor de cabeça
  • dores no corpo
  • fraqueza ou exaustão

COMO OCORRE A TRANSMISSÃO DA MONKEYPOX?

Entre humanos, o vírus é transmitido por contato pessoal com secreções respiratórias, lesões de pele de infectados, fluidos corporais ou objetos recentemente contaminados.

“Quando a crosta desaparece e há reepitelização, a pessoa deixa de infectar outras e, na maioria dos casos, os sinais e sintomas desaparecem em poucas semanas”, aponta a Sesa.

 

De acordo com o Ministério da Saúde, a monkeypox “é uma doença que exige contato muito próximo e prolongado para transmissão de pessoa a pessoa, não sendo característica a rápida disseminação”. Apesar disso, o vírus tem potencial epidêmico.

COMO PREVENIR A MONKEYPOX?

  • Evitar contato com pacientes suspeitos ou infectados;
  • Higienizar as mãos com frequência, com água e sabão ou álcool;
  • Usar máscaras de proteção.

As medidas também valem para roupas, roupas de cama, talheres, objetos e superfícies utilizadas por pessoas com suspeita ou confirmação da doença. Esses itens devem ser limpos da forma adequada.

O QUE FAZER SE TIVER SINTOMAS DA MONKEYPOX?

As autoridades de saúde recomendam que o paciente que apresentar sintomas da varíola dos macacos procure uma unidade de saúde, para atendimento médico, e não entre em contato com outras pessoas.

QUAL É O TRATAMENTO DA MONKEYPOX?

O tratamento dos casos suspeitos de varíola dos macacos tem se baseado, conforme boletim da Secretaria da Saúde, “no manejo da dor e do prurido, cuidados de higiene na área afetada e manutenção do balanço hidroeletrolítico”.

A maioria dos casos, observam as autoridades de saúde, apresenta sintomas leves e moderados. “Na presença de infecções bacterianas secundárias às lesões de pele, deve-se considerar antibioticoterapia”, acrescenta a Sesa.

Até o momento, não há medicamento aprovado especificamente para monkeypox, embora alguns antivirais tenham demonstrado alguma atividade contra o MPXV.

Fonte:diariodonordeste

Sobre Sertão Midia

Veja Também

Faustão recebe alta após 47 dias internado, mas seguirá sob orientações médicas

Após 47 dias de internação, Faustão, como é conhecido Fausto Silva, recebeu alta hospitalar nesta sexta-feira (12). O ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.